Quais tecnologias devo usar na fazenda?

7 min. de leitura

Tecnologia e agricultura: avanço da tecnologia no agro, agricultura 4.0 e como aplicar esses conceitos na propriedade para aumentar sua eficiência.

Não é segredo para ninguém que a tecnologia e agricultura andam juntas há algum tempo, sendo fácil de compreender o surgimento do conceito da agricultura 4.0 como uma evolução natural.

Até porque os desafios enfrentados diariamente por produtores e todos os profissionais do agronegócio só serão superados com a adoção de tecnologia.

Essa associação é fundamental para maior produção, uso consciente dos recursos naturais e a segurança alimentar, os quais são as preocupações dos consumidores atuais.

Como exemplo, segundo o censo agropecuário do IBGE, a tecnologia foi a responsável por cerca de 70% do crescimento da produção de grãos. 

Então, devemos estar cientes e entender como utilizar da melhor maneira essa tecnologia. 

Confira aqui como!

A tecnologia na agricultura brasileira é cara?

A resposta é simples. Não!

Nem sempre usar tecnologia é sinônimo de alto custo com equipamentos, softwares, entre outros, ou seja, não é necessário gastar muito dinheiro para usar tecnologia na sua fazenda. 

Além disso, a tecnologia tem evoluído constantemente como podemos ver nesse artigo e isso faz com que ela fique cada vez mais acessível. Quanto maior seu uso, mais empresas começam a desenvolver tecnologia para o setor (maior oferta, menor o preço!).

Fonte: Professor Fabiano Neves

Porém, o emprego da tecnologia começa quando você passa a usar técnicas para entender melhor as suas áreas, observar diferenças de produção e produtividade.

Por exemplo, encontrar diferenças visuais, físicas e químicas da sua fazenda significa que você já está começando o conceito de agricultura de precisão, que envolve tecnologia e agricultura.

Neste artigo, você pode conferir como fazer aplicação sem precisar gastar R$60 mil em máquinas e todo o conceito envolvido na definição de áreas para mapear as zonas de manejo.

Além disso, técnicas mais simples também podem envolver muita tecnologia e, o melhor, custo zero para o produtor.

Exemplos disso são usos de informações de meteorologia para definir época de plantio, utilizar dados de pesquisas científicas para calcular densidade de plantas daquela linhagem utilizada. 

E se você acha que esse tipo simples de tecnologia já foi implantada no Brasil, infelizmente está enganado.

Segundo dados divulgados pelo Rally da Safra de 2017,  em 83% das propriedade, não faziam de terraços  para um melhor manejo do solo e em 63% dos casos, a semeadura de soja e milho não era realizada em nível.

Tecnologia na agricultura de precisão

Como falamos anteriormente, a tecnologia em agricultura de precisão tem sido muito utilizada nos últimos anos.

Como principal conceito de uso consciente de recursos e diminuição de custos em prol da maior produtividade, essa tecnologia permite que se atenda às reais necessidades de partes do campo ao invés de médias generalizadas.

Para complementar esse conceito básico da AP, outras tecnologias vêm surgindo, como os drones que fazem as imagens das áreas e aplicações localizadas.

Fonte: Drone Show

Além de detecção de falhas de plantio, doenças e pragas, o drone identifica em tempo muito menor que se fosse realizada por humanos ou outro tipo de ferramentas.

Somado à isso, todas essas informações geradas no campo por máquinas e outros equipamentos que utilizam GPS, estão utilizando conectividade baseadas em IoT e de armazenamento como big datas e cloud computting.

Tecnologia e agricultura: conceito S.M.A.R.T.

Um conceito que tem ajudado muitos produtores a melhorar os resultados nas fazendas é o S.M.A.R.T., cuja tradução do inglês pode ser entendido como o conceito “inteligente/dinâmico”.

Esse conceito é utilizado pela Agribase, sendo muito aplicado em diversas propriedades. Inclusive esse tópico é ensinado no curso Programa Avançado de Agricultura de Precisão (PAAP).

A sigla é composta pelas iniciais de 5 palavras em que o objetivo da fazenda precisa atender. Ainda não está claro? Entenda melhor a seguir:

S – Específico

M – Mensurável

A – Alcançável

R – Relevante

T – Temporal

Então, na definição do objetivo SMART, o produtor precisa definir um objetivo mais específico, que tenha uma definição clara, que seja mensurável, alcançável, relevante e temporal. 

Por exemplo, quando falamos que o objetivo do produtor é diminuir os custos de produção, não estamos atendendo ao conceito. Temos que ter como objetivo diminuir custos de aplicação de defensivos em 15% nas próximas duas safras. 

Viu a diferença?

O segundo objetivo é específico na redução de custos de aplicação de defensivos, mensurável em 15%, alcançável, muito relevante e com um tempo definido.

Agora como faremos isso?

Usando tecnologia e agricultura! 

Falamos anteriormente que a tecnologia na agricultura não necessariamente precisa ser cara e com os equipamentos mais caros. A tecnologia e agricultura, juntas, é um conceito de ferramentas e técnicas com o objetivo de aumentar a produtividade ou mesmo reduzir custos. 

Portanto, no próximo tópico vamos abordar como a tecnologia, associada a gestão da propriedade, pode auxiliar na redução de custos.

Gestão da propriedade com tecnologia na agricultura

Um ponto em que a tecnologia e agricultura estão ligadas fortemente é na questão de gestão da propriedade como um todo. 

O uso de tecnologia embarcada em máquinas agrícolas é capaz de fornecer todos os dados para que o produtor acompanhe em tempo real o que está acontecendo na fazenda.

Consumo de combustível das máquinas até a quantidade de determinado defensivo ou fertilizante foi aplicada naquele talhão específico, ou mesmo a quantidade de ração fornecida para o gado confinado na baia. 

Esses são exemplos de como as informações chegam de modo mais fácil para a gestão da propriedade.

Mas sabe qual é o princípio aplicado aqui? Medir.

O sucesso da atividade está em medir o que foi planejado, os custos, as operações e até mesmo o preço de venda do produto no mercado.

Existem softwares que conseguem organizar essas informações na palma da mão, pelos smartphones, tablets ou notebooks. Mas existem outras formas de se fazer esse acompanhamento.

A verdadeira gestão é aquela em que o produtor trata sua propriedade como uma empresa, onde controla os custos, encontra gargalos e consegue tomar uma decisão em tempo para evitar o prejuízo. 

Exemplo de software de gestão

Fonte:  Carlos Muza on Unsplash

Desse modo, controlando as despesas, comparando com a safra anterior, sabemos se foi aplicado mais insumos que o necessário, se o custo subiu e assim o valor de venda também deverá ser maior, ou até que ponto podemos espremer a margem para conseguir vender o produto em um mercado mais ofertado.

Conclusão

Como vimos ao longo dessa discussão, a tecnologia empregada na agricultura, está muito mais relacionado ao conceito e técnicas de utilização do que alto investimento e equipamentos de última geração. 

A maior tecnologia que o produtor pode ter é a informação. Portanto, procure sempre ficar informado, buscar por aprendizados e dados de fontes seguras.

Atualmente, existem muitos cursos online que você pode acessar de qualquer lugar e sempre atualizar seus conhecimentos, acompanhando como a tecnologia e agricultura estão evoluindo e como aplicar isso à sua realidade no campo.

Afinal, o objetivo maior é unir tudo que está disponível no mercado, seja tecnologia aplicada, agricultura, para que possamos aumentar a produtividade da lavoura!

Como você tem aliado a tecnologia e agricultura na sua propriedade? Sabia que a tecnologia não precisa ser cara? Tem alguma dúvida? Conte para nós!

Redator Emergir, engenheiro Agrônomo pela Universidade de São Paulo (ESALQ/USP) e especialista em produção de conteúdo técnico para agro.

Deixe um comentário